Oração a São Francisco de Assis

Oração de São Francisco de Assis
(para elevação espiritual)

francisco
Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz.
Onde houver ódio, que eu leve o amor,
Onde houver ofensa , que eu leve o perdão,
Onde houver discórdia, que eu leve a união,
Onde houver dúvida, que eu leve a fé,
Onde houver erro, que eu leve a verdade,
Onde houver desespero, que eu leve a esperança,
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria,
Onde houver trevas, que eu leve a luz.

Ó Mestre, fazei que eu procure mais
consolar que ser consolado;
compreender que ser compreedido,
amar, que ser amado.
Pois é dando que se recebe
é perdoando que se é perdoado
e é morrendo que se vive para a vida eterna…

Anúncios

Rastafari

O movimento rastafari ou rastafarianismo nasceu da conjunção de fatores sociais, políticos, econômicos e culturais. Foram acontecimentos que marcaram uma época de grandes mudanças na consciência de povos do mundo inteiro. Na primeira metade do século XX, os anos de 1900, a humanidade parecia estar vivendo, coletivamente, um processo de revisão e prova de verdadeira evolução. Grandes acertos eram comemorados, como os avanços tecnológicos; por outro lado, erros monumentais eram cometidos; um paradoxo porque, naquele mesmo momento, vozes do mundo inteiro faziam ouvir seus protestos reclamando reparação para as grandes feridas abertas pelas arbitrariedades de incontáveis gerações do passado. Neste contexto, os clamores mais veementes partiam do continente Africano, completamente exausto e caótico em conseqüência dos abusos cometidos pela colonização européia. Na África, os movimentos negros emergiam buscando o resgate da auto-estima étnica e cultural e o rastafarianismo apareceu como um ponto de encontro ideológico que oferecia fortes símbolos representativos de valores de indentidade.

A origem filosófico-religiosa da doutrina rastafari é dupla do ponto de vista histórico e geográfico. Por volta dos anos 30, em dois lugares distantes entre si, um mesmo espírito de renovação se erguia. Mobilizações político-culturais que agitavam a Etiópia tiveram uma notável repercussão na Jamaica. Naquela época, a Etiópia era uma monarquia teocrática governada pela mítica dinastia dos descendentes do bíblico rei Salomão, fruto de sua união com a não menos lendária rainha de Sabá (ou Sheba). Esta, governava uma vasta região ao sul daquele país. Estes herdeiros mantiveram a linhagem e o trono ao longo de milênios e em 2 de novembro de 1930, aos 38 anos, Ras Tafari Makonnen foi coroado como o novo governante do império Etíope.

mgarvey04   MASCUS GARVEY

Anos antes, na Jamaica, Marcus Garvey (1887-1940), um militante da causa negra, havia literalmente profetizado o surgimento de um "Salvador", um Messias cuja missão seria resgatar a dignidade das comunidades negras. Garvey foi o criador da Universal Negro Improvement Association, entidade que se tornou porta-voz das insatisfações da classe trabalhadora negra norte-americana. A coroação de Ras Tafari foi recebeu ampla cobertura da mídia internacional. Quando os jornais, estampando a fotografia do rei, chegaram à Jamaica, Garvey declarou que o momento havia chegado. Ras Tafari era o escolhido de Deus. Ao receber do clero etíope (um dos mais antigos da Igreja Cristã Ortodoxa) a coroa, o cetro, o manto dourado e a espada sagradas da disnastia salômonida, o "Príncipe sem Medo" passou a ser chamado de Haile Selassie I – nome que significa "Poder da Divina Trindade". Em Kingstone, as notícias que chegavam sobre os primeiros atos do novo rei repercutiam de modo especial. Muitos cidadãos pertencentes às classes pobres e militantes políticos viram a coroação como a realização de uma das profecias do líder Garvey. Ele afirmara anos antes: "Olhem para a África! Quando um rei for coroado o dia da redenção terá chegado".

O MESSIAS NEGRO

A figura e a história de Haile Selassie estão na base da teologia cristã-rastafari. Na Etiópia, o herdeiro do trono de Davi os tenta, entre outros títulos, os de Rei dos Reis e Senhor dos Senhores. Por seu enorme carisma e forte liderança em favor das nações e etnias oprimidas, em todo o mundo, Selassie começou a ser considerado como "Cristo", em sua significação original, Chrestos, ou seja, ungido, o Filho de Deus, reencarnação do próprio Jesus de Nazaré.

Seu nascimento foi associado a antigas profecias. De fato, Marcus Garvey não foi o primeiro a profetizar a vinda de um Salvador que haveria de redimir os injustiçados. Teólogos analisavam os fatos e encontravam conexões entre Ras Makonnen e previsões contidasna Bíblia católico-cristã, nos livros sagrados dos judeus e nos Evangelhos Apócrifos (textos contemporâneos aos quatro evangelhos oficiais mas desconsiderados pela Igreja Católica Apostólica a Romana). Para os rastafaris, o anunciado retorno de Jesus, ou do Messias, ocorreu em 23 de julho de 1892, quando Ras Tafari veio ao mundo, filho de nobres descendentes da Casa de Davi em terras africanas. Seu pai, Ras Makonnen Wolde Michael era um governador de região, um cargo hereditário. O jovem Tafari foi educado como cristão ortodoxo (da Igreja Ortodoxa do Oriente). Estudou na Etiópia e na França. Era versado nas escrituras sagradas da mais diversas correntes do cristianismo e do judaismo. Conhecia obras raras o Kebra Nagast (A Glória dos Reis), uma Bíblia judaica africana cujo original remonta mil anos atrás, e também o Livro de Enoch, os Livros de Moisés, o Livro do Éden, os 31 volumes da Bíblia hebraica tradicional e os 21 livros canônicos (oficiais) do Novo Testamento. Como futuro governante de um território, foi iniciado nas artes de guerra e na equitação de batalha. "Lig" – Conde Tafari era também Iniciado em mistérios da natureza e diziam que era capaz de conversar com leões e leopardos.

 

A DISNASTIA DE SALOMÃO NA ÁFRICA

igrjetiope00

No Kebra Nagast, conta-se que o Rei Davi, o primeiro govenante judeu do chamado Período dos Reis da história dos judeus, desposou Betsabé, uma descendente de judeus negros. O casal gerou o histórico Salomão, que suscedeu o pai e gerou um filho com a Rainha Sheba (a Rainha de Sabá), imperatriz de terras ao sul da Etiopia. Como legado ao herdeiro, Salomão confiou à Rainha um anel de diamante ornamentado com afigura do Leão de Judah.O garoto foi chamado Menelik, Bayna-Lehkem ou, o "Filho do Sábio", e consta que teria visitado as terras de Israel onde conheceu seu pai e com ele foi iniciado no judaísmo. Foi assim que o Reino de Davi se estabeleceu na Etiópia há três mil anos e a Dinastia, bem como o anel de diamante, atravessaram os séculos até se extinguir com a morte de haile Selassie. Além dos títulos de rei dos Reis (Negus Nagast) e Senhor dos Senhores, o trono etíope agregava outros tantos atributos que reforçavam a autoridade religiosa do imperador; ele era o Leão de Judah, o Eleito de Deus, o Messias Negro.

ÍNDICE
I. Haile Selassie – Voz da África
II. Conexão Jamaica – A Cultura Rastafari

RAINHA DO MAR

Iemanjá 2  IEMANJÁ

Deusa da nação de Egbé, nação esta Ioruba onde existe o rio Yemojá (Iemanjá). No Brasil, rainha das águas e mares. Orixá muito respeitada e cultuada é tida como mãe de quase todos os Orixás. Por isso a ela também pertence a fecundidade.

Em todos os lugares, no dia 2 de fevereiro ou no ano novo fazem-se homenagens a grande mãe Iemanjá. É protetora dos pecadores e jangadeiros.

O ARQUÉTIPO DOS FILHOS DE IEMANJÁ

As pessoas de Iemanjá são sérias e impetuosas, domina a todos e fazem-se respeitar. Dificilmente perdoam os erros dos semelhantes. Gostam de testar as pessoas.

Seu temperamento é muito difícil, são bravas, nervosas, mas possuem um coração grandioso, são dedicados aos parentes e amigos, preocupam-se com os outros e consigo. Gostam de coisas luxuosas. São honestas, gostam da casa e da família, são ótimas esposas, mães ou pais.

 

LENDA

Iemanjá era filha de Olokum, deus (em Benim) ou deusa (em Ifé) do mar. Iemanjá foi casada com Orumila, deus da adivinhação mais tarde casou dom Olofin, Rei de Ifé, com que teve dez filhos, que correspondem a Orixás.

Iemanjá foge em direção a oeste, pois se cansara de Ifé. Olokum lhe dera uma garrafa contendo um preparado para usar se precisasse, ela deveria quebrar somente em caso de extremo perigo.

Iemanjá foi viver no entardecer da terra, o oeste Olofin Odùduà, Rei de Ifé, põe todo o seu exército a procura de sua mulher. Iemanjá cercada resolve quebrar a garrafa conforme lhe foi dito. No mesmo instante criou-se um rio levando Iemanjá para Okun, o oceano, lugar onde vive Olokun.

Por isso Iemanjá é representada na imagem com grandes seios, simbolizando a maternidade e a fecundidade.

SABENDO MAIS SOBRE A CULTURA AFRO BRASILEIRA

POUCO SABEMOS SOBRE A CULTURA NEGRA- AFRO NO NOSSO PAÍS, NAS TORPEZ ESCOLAS PROVINCIANAS BRASILEIRAS POUQUÍSSIMO SE OUVE FALAR SOBRE A CUTURA NEGRA. POR ESSE MOTIVO TRAGO UM POUCO DA HISTÓRIA Q NÃO FOI CONTADA POR PRECONCEITO OU POR OMISSÃO SEI LÁ PQ.

 Malunguinho, herói anônimo dos quilombos

por Cleide Alves

 Líder quilombola mais temido em Pernambuco nas primeiras décadas do século 19, o negro Malunguinho é dono de uma história singular, porém praticamente anônima. Basta dizer que o Conselho de Governo, principal órgão consultivo da província e que deu origem à Assembléia Legislativa, gastou uma reunião inteira discutindo um possível ataque dos escravos refugiados na Floresta do Catucá (Mata Norte, entre Recife e Goiana) ao Recife. A suposta invasão aconteceria em 1827, comandada por Malunguinho. Na ata da reunião (29/01/1827), o governo provincial oferece um prêmio pela prisão dos três principais chefes dos quilombos do Catucá: 100 mil reis pela cabeça de Malunguinho, 50 mil reis por Valentim e a mesma quantia para Manoel Gabão. “Cem mil reis, na época, foi a maior quantia já oferecida pela captura de alguém vivo ou morto em Pernambuco”, observa o professor do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Marcus Carvalho. Além da recompensa, foi determinado que todos os negros apanhados nos quilombos fossem vendidos ou mandados por seus donos para fora da província, “para o Sul, além Rio São Francisco, e para o Norte, além do Parnaíba”. A ata da reunião está no acervo do Arquivo Público Estadual. Segundo Marcus Carvalho, a data do início da ocupação da Floresta do Catucá não é precisa, mas os movimentos políticos e sociais exerceram influência. “Muitos escravos devem ter aproveitado a Insurreição Pernambucana (1817) e fugiram para as matas, pois vários donos de engenhos localizados nas proximidades do Catucá faziam parte da revolta”, explica. Ele informa que os quilombos do Catucá (ou do Malunguinho) foram atacados sistematicamente pela polícia. Há registro de diligências policiais em 1821 e 1824 e o líder mais citado em todas é Malunguinho. Numa das tentativas de acabar com os quilombos foram presos 63 negros. As diligências menores eram feitas com cerca de 60 soldados e jagunços, enquanto que as maiores chegavam a 700 homens. “Em 1824, o governo chegou a usar as tropas do Exército que tinham vindo do Rio de Janeiro para combater os rebeldes da Revolta de 1817”. O professor acrescenta que os quilombolas mantinham contato com outros negros (familiares e amigos) que viviam nos engenhos e nas cidades. Além de ajudar os escravos fugitivos com gêneros alimentícios, essas pessoas informavam aos quilombolas sobre as diligências. “Era comum a polícia chegar nas matas e encontrar casas, mocambos e lavouras recém-abandonadas, mas nenhum negro”. O coração dos quilombos do Catucá ficava numa região conhecida como Cova de Onça, entre Olinda e Igarassu, na antiga margem do Rio Paratibe. Os escravos fugiam do Recife e dos engenhos da Mata Norte, formando pequenas comunidades no Catucá. Malunguinho, de acordo com Marcus Carvalho, é o aportuguesamento da palavra Malungo, de origem banto e que significa “canoa grande”. Malungo é traduzido também como “companheiro” e serve para identificar as pessoas que vieram no mesmo navio negreiro. “É um laço muito forte”. Nos documentos da polícia não há registro da morte ou captura de Malunguinho. O quilombo foi dizimado por volta de 1830. Um dos fatores que mais contribuíram foi a criação da Colônia Amélia, formada por soldados de origem germânica que haviam lutado na Guerra da Cisplatina. Como o governo queria acabar com os quilombos, ofereceu terras aos soldados na Floresta do Catucá. “Os soldados não sabiam que a área já era ocupada pelos negros. No confronto, a família alemã Christiane foi massacrada”.

ESCRAVA ANASTÁCIA

image002[1]

A escrava Anastácia é cultuada no Brasil como santa e heroína, considerada uma das mais importantes figuras femininas da história negra no Brasil. Sua beleza tornou-se objeto de desejo e obsessão do feitor de sua fazenda. Por nunca ter aceitado o assédio do rapaz, foi violentada e condenada a viver com uma máscara no rosto, que era retirada apenas durante as refeições, suportando este instrumento de supremo suplício por longos anos de sua dolorosa, mas heróica existência. As mulheres e as filhas dos senhores de escravos eram as que mais incentivavam a manutenção de tal máscara, porque morriam de inveja e de ciúmes da beleza da negra . Anastácia, já muito doente e debilitada, é levada para o Rio de Janeiro onde vem a falecer, sendo que seus restos mortais foram sepultados na Igreja do Rosário que, destruída por um incêndio, não se teve como evitar a destruição também dos poucos documento que poderiam nos oferecer melhores e maiores informações referentes à escrava Anastácia " A Santa ", além da imagem que a história ou lenda deixou em volta de seu nome e na sua postura de mártir e heroína, ao mesmo tempo Escrava sendo castigada. Por isso, muitas entidades, ligadas não somente às lideranças negras, femininas ou masculinas, como as comunidades religiosas afro-brasileiras, particularmente as ligadas à religião católica, estão unidas no propósito de solicitar ao Papa, a beatificação da escrava Anastácia .

O PAI NOSSO EM HARAMAICO

 

O PAI NOSSO

de acordo com a versão em aramaico

 

Ó Fonte da Manifestação! Pai-Mãe do Cosmo
Focaliza Tua Luz dentro de nós, tornando-a útil.
Estabelece Teu Reino de unidade agora.
Que Teu desejo uno atue com os nossos,
assim como em toda a luz e em todas as formas.
Dá-nos o que precisamos cada dia, em pão e percepção;
desfaz os laços dos erros que nos prendem,
assim como nós soltamos as amarras que mantemos da culpa dos outros.
Não deixe que coisas superficiais nos iludam.
Mas liberta-nos de tudo que nos aprisiona.
De ti nasce a vontade que tudo governa,
o poder e a força viva da ação,
a melodia que tudo embeleza
e de idade a idade tudo renova.

Amém.

 

Próxima Entradas mais recentes